Sábado, 19 de Junho de 2021 06:00
67984690667
Brasil Brasil

Barra Torres defende vacinação e discorda de frases de Bolsonaro

Presidente da Anvisa também confirmou, na CPI da Covid nesta terça-feira, reunião em que se buscou mudar bula da cloroquina

11/05/2021 11h31
Por: Redação Fonte: R7
Torres é contra uso da cloroquina em covid - (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado - 11.05.2021)
Torres é contra uso da cloroquina em covid - (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado - 11.05.2021)

O presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres, afirmou nesta terça-feira (11) ser contrário às declarações do presidente Jair Bolsonaro, nas quais ele minimizou a importância da vacinação contra a covid-19 ou pôs em dúvida os imunizantes. 

Ao ser questionado pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), como ele via as falas de Bolsonaro - citou, por exemplo, a brincadeira sobre o risco de virar jacaré para quem tomasse o imunizante da Pfizer -, Barra Torres declarou que isso "vai contra tudo o que nós [da Anvisa] temos protagonizado em todas nossas manifestações públicas".

"Entendemos que a polítiica de vacinação é essencial. Se todos estamos sentados aqui nessa sala é porque um dia nossos pais nos levaram para se vacinar", disse o presidente da agência. "Discordar de vacina ou falar mal de vacina não guarda razoabilidade histórica", concluiu.

Mudança na bula da cloroquina

Barra Torres confirmou que estava na reunião no ano passado em uma das salas do Palácio do Planalto na qual se cogitou mudar a bula do medicamento cloroquina, colocando-o como possível medicamento contra a covid.

O encontro servia como reunião do chamado grupo executivo interministerial e Anvisa, criado em fevereiro de 2020 para enfrentamento da pandemia.

Segundo ele, estavam na reunião o então ministro da Casa Civil (hoje da Defesa), Walter Braga Netto, o ex-ministro da Saúde Mandetta, ele, como representante da Anvisa, e a médica defensora da cloroquina e do tratamento precoce Nisa Yamaguchi, mais outro médico, do qual não lembra o nome.

Em determinado momento, conta, a doutora Nisa Yamagushi sugeriu a mudança na bula e ele prontamente rejeitou a ideia. " minha reação foi imediata, dizendo que aquilo não poderia ser". 

Torres explicou aos senadores que ó quem pode modificar uma bula de um medicamento registrado é a agência regulardora de seu país origem, desde que solicitada pelo detentor do registro. Isso pode ocorrer quando o laboratório que tem a propriedade do remédio descobre outra aplicação para a substância.

"Quando houve uma proposta de uma pessoa física, tive uma reação um pouco mais brusca. Olha, isso não tem cabimento, isso não pode. E a reunião acabou logo em seguida a esse episódio."

De acordo com o presidente da Anvisa, "a doutora parecia estar, digamos, mobilizada para essa possibilidade".

Torres disse que nunca fez reunião com o presidente Jair Bolsonaro para aconselhá-lo sobre temas relacionados à Saúde.

Em relação à cloroquina, ele se mostrou contrário à aplicação da substância em qualquer fase do tratamento de covid, mas citou que existe um estudo em aberto, chamado coalisão 5, que avalia dados da aplicação do remédio em casos leves de infectados pelo novo coronavírus. Deve ser finalizado em dezembro deste ano. "Mas, até o presente momento, não há indicação de uso."

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.