Quinta, 26 de Novembro de 2020 22:20
67984690667
Saúde Saúde física

A importância da fisioterapia na recuperação do câncer de mama

Embora raro, o câncer de mama também pode afetar homens, representando 1% do total de casos registrados

29/10/2020 11h34
Por: Redação
A importância da fisioterapia na recuperação do câncer de mama

 

“Eu me trato no Hospital do Câncer desde 2014. Descobri a doença e imediatamente comecei a quimioterapia. Já fiz 260 sessões e ainda faço esse acompanhamento duas vezes por semana. Passei pelo processo de retirada da mama e depois comecei a fisioterapia. O apoio dos profissionais incentiva os pacientes, pois muitas mulheres ficam desanimadas. A fisioterapia tem mostrado uma reação positiva que o organismo dá em relação à doença. Quem se ama, cuida de si.

O câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve pela multiplicação desordenada de células na região da mama. A doença não tem uma causa única, mas a idade é um dos fatores de risco mais importantes.

Ainda segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos. Fatores de risco também são obesidade e sobrepeso, consumo de cigarro e álcool, sedentarismo, histórico familiar de câncer de mama, alteração genética, entre outras.

Câncer de mama entre homens

Embora raro, o câncer de mama também pode afetar homens, representando 1% do total de casos registrados. Ou seja, para cada 100 mulheres diagnosticadas com a doença, um homem recebe o diagnóstico, segundo dados divulgados pelo Inca, cerca de 200 homens morreram com a doença em 2018.

A doença apresenta os mesmos sintomas em mulheres e homens, como retração da pele, aparecimento de caroços e caroços, secreção pela aréola (mamilo), gânglios nas axilas, além de vermelhidão na região dos seios da face e coceira. Ao contrário das mulheres, que precisam fazer mamografia anualmente a partir dos 40 anos, não há teste de rastreamento para câncer de mama em homens, o que muitas vezes prejudica o diagnóstico precoce, fator fundamental para o sucesso do tratamento.

O câncer de mama geralmente afeta homens mais velhos, a partir dos 60 anos ou aqueles cujas famílias têm muitos casos de câncer de ovário e de mama.

“Perdi quatro tias para o câncer e hoje sou paciente do HCP. Em 2019 fiz uma cirurgia plástica para retirar uma ginecomastia que estava comigo desde os 14 anos, resultado da biópsia que recebi da notícia. Como a cirurgia já havia retirado todos os tumores, precisei apenas de algumas sessões de radioterapia e medicação, hoje faço parte de um estudo genético para acompanhar o possível desenvolvimento de outro tumor ou a probabilidade de meus filhos serem herdeiros dessa doença”, diz Daniel Lira (33 anos).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.