Quarta, 21 de Abril de 2021 19:43
67984690667
Brasil Brasil

Rosa Weber vota por direito a veto de público em missas e cultos

Ministra levou placar para 5x2 em julgamento que avalia o tema após decisões conflitantes de ministros do Supremo

08/04/2021 17h21
Por: Redação Fonte: R7
A ministra Rosa Weber, do STF - (Foto: Youtube/Reprodução 08.04.2021)
A ministra Rosa Weber, do STF - (Foto: Youtube/Reprodução 08.04.2021)

A ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), votou nesta quinta-feira (8) por manter decisão do governo de São Paulo que restringiu a presença de público em eventos religiosos na fase emergencial de combate à covid-19, válida desde 15 de março. Com o voto, o placar ficou em 5x2. 

Na prática, o julgamento busca avaliar se estados e municípios têm o direito de determinar restrições de cerimônias com público se julgarem necessário, em razão do combate à pandemia. 

Weber avaliou que o governo de São Paulo, ao restringir em caráter emergencial e excepcional a presença de público em eventos religiosos, atuou com consonância com a Constituição. "A atuação do legislador no caso acomoda-se ao propósito claro do constituinte em promover a proteção da saúde e da vida."

O julgamento acontece após decisão conflitante que vinha permitindo nos últimos dias a realização de cerimônias com público pelo país. No sábado (3), o ministro Nunes Marques liberou a presença dos fiéis e determinou o respeito ao limite de 25% da lotação de cada espaço. Ele atendeu pedido da (Anajure) Associação Nacional de Juristas Evangélicos.

Na segunda-feira (5), Gilmar Mendes concedeu decisão contrária à de Nunes Marques e julgou improcedente pedido do partido PSD contra decreto do governo de São Paulo que vetou eventos com aglomerações, - entre eles os religiosos - durante a fase emergencial do Plano São Paulo, iniciada no dia 15 de março. Após o impasse, a decisão é submetida então ao plenário da Corte, para que os 11 ministros deliberem sobre o tema.

Gilmar manteve seu entendimento contra o público em cerimônias religiosas no início do julgamento, na quarta-feira (7). Nesta quinta, Nunes Marques também manteve sua posição a favor de público parcial nos eventos. Em seguida, Moraes, Fachin e Barroso levaram o placar para 4x1. Dias Toffoli acompanhou o ministro Nunes Marques, enquanto Rosa Weber seguiu o entendimento pela possibilidade de veto ao público.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.